O Zero e Deus

Como primeiro delírio do Claustrum, nada melhor que “começar do início”, pelo número Um, certo? Errado! Começamos a partir do Nada, repostando um de meus artigos mais complexos publicados no Dies Irae e falando sobre a mística do Zero, a figura do Supremo Ser Preexistente (que existe fora de nossa Existência e dela fora a Fonte). Os Cabalistas chamam-no de Eterno, Existência Negativa ou, simplesmente, Ain (o Nada).

Vamos acompanhar?

***

Desde a Antigüidade, ouvimos que o símbolo gráfico que exprime o infinito é dado pelo círculo, numericamente representado pelo algarismo 0 (zero). Mas, as religiões monoteístas nos dizem que Deus é Um. Logo, deduzo que elas se referem à Primeira Manifestação de Deus na Criação, mas não a Deus Eterno e Incriado.

A razão pela qual os antigos filósofos creditaram ao Zero o simbolismo da eternidade é muito simples: graficamente, o zero não tem extremidades. Ele não tem começo ou fim aparentes, e ele começa onde termina, seja lá qual for o ponto que se adote como referencial, diversamente do Um.

A Serpente que come o próprio rabo
A Serpente que come o próprio rabo, símbolo da Mãe dos Juízos para uns, e de Eternidade para outros.

Se fôssemos representar o infinito num plano, o Zero seria ineficaz, pois ele separaria o que está dentro do que está de fora. Não pode haver limites àquilo que, teoricamente, é ilimitado. Lembremos, porém, que um símbolo não busca denotar dimensões, e sim conceitos, arquétipos, idéias abstratas. Logo, como símbolo, ele se enquadra perfeitamente ao conceito de Eternidade no Misticismo.

Mas, quais as outras razões de creditar ao Zero o título de número da Eternidade, e não ao Um?

Os conceitos de Unicidade, Imutabilidade, Indivisibilidade e Imanência, características de Deus, são equivocadamente atribuídos ao Um. Deus não somente é indivisível em seu Todo, mas também apresenta a ausência de opostos em si mesmo.

Pela matemática, podemos visualizar melhor isso tudo. O Um é indivisível, mas possui opostos (+1, -1). O Zero é absolutamente neutro.

O Um, elevado a qualquer potência, resulta nele mesmo; porém, se multiplicado por qualquer dígito, transforma-se em seu fator. O Zero, elevado a qualquer número, resulta, também, nele mesmo, e multiplicado por qualquer número, permanece igual em sua natureza neutra. E daí, com todas as outras operações.

A única ocasião em que o Zero sofre uma mudança (e isso, acho eu, foi o início de tudo) é quando o Zero é elevado a Zero, o que resulta em Um. Uma eternidade que é elevada (sofre o impulso ou desejo) de ser eterna, fora dela mesma, propicia um ciclo de geração de eternidades (como a descida e subida dos anjos, a espiral evolutiva, etc.), já que eternidade perene e imutável só pode haver uma. É o início da seqüência numérica, sem a participação do Um, tido como a unidade numérica fundamental e primeira. É a geração do Primeiro Ser visível (Um) a partir do Invisível (Zero). Segundo a Qabbalah, isso é Nequdah Rashunah (Primeiro Ponto), sendo esse o símbolo do número Um. Daí, tudo começou do Nada, e do Nada tudo foi feito.

Deus é o Zero no centro do plano cartesiano e do círculo. Parece que ouço Paulo Mendes Campos, sussurrando enquanto pigarreia:

Todos os pontos do Círculo são equidistantes de Deus.

***

Fonte: http://ebraelshaddai.wordpress.com/2011/02/15/o-zero-e-deus/.

Anúncios

Autor: Júlio [Ebrael]

Brazilian. Amateur poet. Conservative and Gnosthic Christian. Permanently unmarried, not disposable. // Brasileiro. Poeta amador. Conservador e cristão de visão gnóstica. Permanentemente solteiro, não disponível.//

12 comentários em “O Zero e Deus”

  1. Na verdade, Ebrael, os algarismos são coisas criadas na matéria, assim como tantas outras coisas criadas na tentativa de um entendimento melhor entre a humanidade e que, pelo quadro hodierno, vemos que foram providências bem intencionadas, porém, por não terem fundamentos básicos (origem), não deram os resultados esperados. Portanto, com absoluta certeza lhe digo que DEUS é definido, sem palavras e sem números, muito naturalmente, sem palavras, no coração de todos aqueles que pruram trilhar no caminho do bem, fazendo o bem sem olhar a quem e amando o próximo como a si mesmo. A quem não se interessou ainda por este caminho, pouco adiantarão os algarismos e as palavras, por estarem AINDA, identificados com a matéria, que nada é. Parabéns pelo seu novo blog e pela sua luta constante pelo bem, blog esse, como os demais que somente surtirão efeito naqueles que já entenderam que estamos fora do nosso natural verdadeiro, por não pertencermos a este universo material. Então, estamos nós falando na internet na busca das sementes que ainda não secaram, pois, infelizmente sabemos que muitos já se perderam irreversivelmente para retorno à Casa Paterna agora. Retornarão também, mas, depois de mais 7 longas eternidades (7 grandes deformações para pior na matéria). E, asim, vamos em frente, Mano, que atrás vem GENTE! ABRAÇO MUITO ESPECIAL E AFETUOSO! GRATÍSSIMOS POR MAIS ESTE BLOG!

    1. Os números, como vibrações, existem desde o próprio aparecimento do Universo. São Arquétipos, ideias divinas. Claro, nossa percepção deles é pobre e estreita, pra não dizer prosaica demais. Mas, o número como Som vindo da Luz, é uma das dimensões divinas presente em tudo quanto existe, no plano da Forma, Mente e Espírito.

      Esse blog, como todos os outros, são sementes de missão, cuja semente-mater já fora plantada em mim por meu Condutor, há algum tempo atrás. Agora, é tempo de Tikkun (Correção), tempo de corrigir nossa conexão com os outros!

      Um abraço, eu que agradeço tua presença aqui!

      1. Sim, Ebrael, mas, veja bem, você mesmo o diz: “No plano da Forma, Mente e Espírito.” E tudo isso está abaixo da ORIGEM, que é DEUS. E DEUS não é espíritos, pois, espíritos são todos os seres que vivem em experiência, na tentativa de se comunicarem com DEUS. a confusão existe porque sempre admitimos entidades espirituais como se divinas fossem. Não são divinas, apenas são de ORIGEM divina, o que é muito diferente. Todo ser espiritual vive de experiências, por lhe faltar a sabedoria completa. Completa será quando o ser espiritual tiver a sabedoria completa. E a fase Racional é exatamente para isso, para que os seres espirituais visíveis (nós) e o invisíveis (as entidades) complementem sua sabedoria, conseqüentemente se ligando a DEUS VERDADEIRO, deixando sua condição primária espiritual e retornando, definitivamente à ORIGEM. Vale a pena estudar a Cultura da ORIGEM, a Cultura Racional e conferir tudo isso. Mas, tudo tem o tempo certo. Naturalmente chegará o seu dia e de toda a humanidade concluir sobre essa necessidade. Enquanto isso não se dá, ficam todos se lapidando para nesse ponto chegar. Por isso, está tudo certo, encaminhando-se para o ponto comum: RACIONAL.
        Grande abraço!

      2. A sua exposição sobre o Espírito e a Divindade foi perfeita (ao menos, pra mim kkk). Sem acréscimos!

        Não gosto de rótulos, me importam os métodos e como trilhamos o Caminho! Todos nós, cedo ou tarde, chegaremos lá!

        Um abraço e obrigado, sempre!

  2. CORRIGINDO O COMENTÁRIO ANTERIOR, NA PARTE: ” no coração de todos aqueles que pruram trilhar no caminho do bem,”
    Onde se lê “pruram”, gentileza ler “procuram”. Desculpas pela falta de atenção! Gratíssima!

      1. É verdade, Mano, a gente, de uma forma ou de outra está sempre precisando SE CORRIGIR. Felizes dos que procuram fazê-lo em tempo! Grande abraço!

  3. Ebrael, muito interessante este estudo, considero os otimos comentários anteriores a este como complementos ao que voce apresentou. Sobre o zero faz muito sentido, porque tudo parte do marco zero, que é o início de tudo.

    Creio que relendo ainda compreenderei mais a mensagem que vem a comunicar.

    Bjs

    1. Oi Simone!
      Sei que essas ideias são deveras complexas. Mas, sempre que puder, leia sim! Leia, porque ao que a gente não está acostumado hoje, se juntará sentido amanhã!
      Bjs!

      1. Eu compreendo o sentido da questão abordada, mas não tenho conhecimento mais profundo. Eu me interesso, voltarei mais vezes. Preciso reler outra vez.
        Beijos

      2. Não se preocupe mesmo. Um dia, a gente senta e toma uma cerveja e te explico tudo, ouvindo uma música kkk Volta sim, sempre! Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s